“Terror! Robespierre e a Revolução Francesa”

Anúncios

A Revolução Inglesa pode ser considerada uma revolução?

Para chegarmos a uma resposta temos que entender primeiro sobre a pergunta e seu contexto, como base temos que chegar a ideia do que seria o termo ”revolução” para Hill e como a sua época influencia as ideias que podem ser consideras revolução.

Para começar vamos citar sobre o livro “Christopher Hill e O Mundo de Ponta-Cabeça: Ideias radicais durante a Revolução Inglesa de 1640″ em que Christopher menciona fatos aceitos para a aceitação da revolução inglesa como revolução. Os fatos são baseados na forma diferente de pensar e de ideias que as pessoas na revolução tinham, fala sobre a ideia da sexualidade e da sua disparidade causada em meio ao mundo de trabalho e social, isso na época seriam ideias mais do que radicais, já que, a época era baseada em grande preconceito em relação a certos ”tabus”, porém podemos perceber por outras opiniões que somente esses ideias não criaram uma revolução inteira, já que essas ideias só foram retomadas como necessárias para a sociedade depois de praticamente dois séculos.

Então podemos considerar que Hill era considerado um dos maiores historiadores marxistas ingleses que tinha uma visão ampla sobre a situação da Inglaterra, e por isso temos que considerar a influência que os acontecimentos do seu tempo podem ter causado em sua visão sobre revolução, passando por um tempo em que os ideias pouco mudavam e que as leis e objetivos da nação sempre eram ditos por uma classe social “maior”, um processo no qual diferentes lados com diferentes ideias se juntam a um só plano contra o rei, além das ideias econômicas, sociais e religiosas tão divergentes. Podemos perceber como essa união em prol do bem causou um impacto gigantesco sobre todo o mundo. Com o ganho do lado burguês sobre o autoritarismo abrimos espaço para a construção de uma nova sociedade, baseada primeiramente a uma economia forte e um mercado amplo, embora com o tempo possamos notar a decadência da ideia de igualdade e da ideia de que não viveríamos mais sobre “castas” sociais. É impossível negar o avanço gigantesco da modernidade sobre a Inglaterra.

Por fim, após toda a análise e a respostas para as perguntas bases, podemos entender facilmente que sim, a “Revolução Inglesa” realmente foi uma revolução, e suas razões para tal são facilmente entendíveis.

 

Análise Situacional da Classe Trabalhadora no século XVIII

O século das Luzes marca um momento de intensa mudança com o surgimento das máquinas e a grande evolução da ciência naquele tempo.

As pessoas viviam tranquilamente produzindo somente o necessário para sua sobrevivência, levando uma vida honesta e calma.

Os pais, chefes de família, eram responsáveis pela sustentação de sua esposa e filhos e com eles dividiam o trabalho na época, citando o exemplo mais rotineiro, a tecelagem, a esposa e os filhos fiavam e o homem tecia. E quando sobrava-lhe tempo, ele arrendava um terreno e cultivava o que quisera de maneira bem precária.

Com o surgimento das máquinas, o trabalho foi facilitado, o custo barateado, o que levou ao aumento da demanda pelos produtos da tecelagem.

Em todo o momento as máquinas iam evoluindo e o trabalho sendo mais facilitado, a demanda aumentando, o mercado interno sendo impossibilitado de competir com a industria e as pessoas eram submetidas ao trabalho o que levou ao êxodo delas para as cidades, uma vez que não tinham outra opção a seguir,  e optavam pela sobrevivência.

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

REFERÊNCIA

ENGELS, Friedrich. A situação da Classe Trabalhadora Na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.